jeudi 17 octobre 2013

NEVE

O quarto, de repente opulento, e da grande janela
Brotavam neve e rosas contra ele,
Em silêncio, colaterais e incompatíveis:
O mundo é mais repentino do que o imaginamos.

O mundo é mais louco, muito mais do que julgamos,
Incorrigivemente plural. Descasco e parto em gomos
Uma tangerina e cuspo os caroços, sinto
A bebedeira de as coisas serem várias.

E as chamas do fogo, com um barulho fervilhante, porque o mundo
É mais desprezível e alegre do que supomos –
na língua, nos olhos, nas orelhas, nas palmas da mão –
Há mais do que vidro entre a neve e as rosas desmedidas.


Louis MacNeice
in Estradas Secundárias - doze poetas irlandeses
sel., trad. e posfácio de Hugo Pinto Santos,
Lisboa, Artefacto, 2013

Aucun commentaire:

Enregistrer un commentaire