dimanche 14 avril 2013

UM GRANDE SILÊNCIO


     De súbito, um  grande  silêncio invadiu  a casa. Os três  gatos a
dormir. Passagem a limpo dêste poema.

     A soledade alberga uma estrêla infinita.
     A doença é a saúde do poeta.

     Sento-me a escrever e a pingar sangue, o qual já alagou o chão
e, em fio, se esgueira por debaixo da porta.
     O sangue pinga da caneta de tinta permanente.


António Barahona, As Grandes Ondas,
Lisboa: Averno, 2013

Aucun commentaire:

Enregistrer un commentaire