mercredi 23 avril 2014

Novidade




Rui Caeiro, Sobre a nossa morte bem muito obrigado,
com capa de Luís Henriques,
Lisboa: Alambique, 2014

lundi 21 avril 2014

Novidade




Vítor Nogueira, Segunda Voz,
com capa de Daniela Gomes e arranjo gráfico de Inês Mateus,
Lisboa: Averno, 2014.

BENFICA


'Já tenho dado prémios.' Vem aí o cauteleiro
que parece ter apenas um motivo para sorrir.
Fica-lhe bem o vermelho. Mas,
para além do Benfica, haverá outra maneira
de esquecer que a vida anda esfregada
a pedra-pomes, que o progresso é uma ideia
materializada unicamente através
de uma enorme nascida no pescoço?

Um pregão a sofrer com dignidade,
como quem cultiva um jardim de nervos.
A terapia é para aqueles que têm tempo
e dinheiro para criar problemas. 'Boa sorte
para todos. Não se metam em sarilhos.'
Poderemos realmente desistir a qualquer altura,
sem quaisquer obrigações?

Devagar, olhar em frente, mão no leme,
quem evita compromissos sabe dar valor às coisas.
Lá vai ele, rua abaixo, ardendo calmamente
como o cigarro que cravou, à falta de melhor negócio.
'Já tenho dado prémios' - uma história predilecta
conta-se sempre da mesma maneira.
A vida, já se sabe, é um desconsolo.
E, como se não bastasse, fumar mata.


Vítor Nogueira, Comércio Tradicional,
Lisboa, Averno, 2008

vendredi 11 avril 2014

Férias


O Paralelo W estará fechado, por motivo de férias, 
entre os dias 17 (5.ª feira) e 21 de abril (2.ª feira).



dimanche 6 avril 2014

Domingologia (8)


Ó DOMINGO RADIOSO DE SOL E CLAMORES


Atravesso a quaresma em paz
Enquanto nevoeiro seco e tormentas
Agonizam o mundo
Meu irmão longínquo

Não estou doente
Vou num sossego
Do lado bom do diabo
Ter com o bando à clareira

Comprei drogas baratas na farmácia
E na Feira do Leite
Os adeptos fazem juras de amor ao clube
Até à morte com urina e abraços

Gosto do domingo
Andar aos peidos
Não produzir
Como deus
Descansam os trabalhadores ao domingo


João Almeida, As Condições Locais,
Guimarães, Opera Omnia, 2014

dimanche 30 mars 2014

Domingologia (7)


COIN, 1994


Gostava de poder dizer não
ao ruído do mundo.
Mas já recolhem o lixo, choveu demasiado,
e eu aperto sem convicção
o cinto verde que me cala o estômago.

Estaríamos, até, a falar da morte
- não fosse este o vigésimo
domingo a seguir à Trindade.
Tronos e dominações mo dizem,
numa rua de Lisboa que
fica, às vezes, tão perto de Leipzig.

Não abdicarei, é claro,
"dos escuros abismos do pecado"
- que em alemão se dizem doutra maneira.

Pecado, maior, é tentar traduzir a música.


Manuel de Freitas, Büchlein Für Johann Sebastian Bach,
Lisboa, Assírio & Alvim, 2003

samedi 22 mars 2014

"Trata-se de Poesia."




Uma das epígrafes de Olhar o Nada, Ver a Deus,
de Rui Caeiro (Averno, 2003).