vendredi 11 avril 2014

Férias


O Paralelo W estará fechado, por motivo de férias, 
entre os dias 17 (5.ª feira) e 21 de abril (2.ª feira).



dimanche 6 avril 2014

Domingologia (8)


Ó DOMINGO RADIOSO DE SOL E CLAMORES


Atravesso a quaresma em paz
Enquanto nevoeiro seco e tormentas
Agonizam o mundo
Meu irmão longínquo

Não estou doente
Vou num sossego
Do lado bom do diabo
Ter com o bando à clareira

Comprei drogas baratas na farmácia
E na Feira do Leite
Os adeptos fazem juras de amor ao clube
Até à morte com urina e abraços

Gosto do domingo
Andar aos peidos
Não produzir
Como deus
Descansam os trabalhadores ao domingo


João Almeida, As Condições Locais,
Guimarães, Opera Omnia, 2014

dimanche 30 mars 2014

Domingologia (7)


COIN, 1994


Gostava de poder dizer não
ao ruído do mundo.
Mas já recolhem o lixo, choveu demasiado,
e eu aperto sem convicção
o cinto verde que me cala o estômago.

Estaríamos, até, a falar da morte
- não fosse este o vigésimo
domingo a seguir à Trindade.
Tronos e dominações mo dizem,
numa rua de Lisboa que
fica, às vezes, tão perto de Leipzig.

Não abdicarei, é claro,
"dos escuros abismos do pecado"
- que em alemão se dizem doutra maneira.

Pecado, maior, é tentar traduzir a música.


Manuel de Freitas, Büchlein Für Johann Sebastian Bach,
Lisboa, Assírio & Alvim, 2003

samedi 22 mars 2014

"Trata-se de Poesia."




Uma das epígrafes de Olhar o Nada, Ver a Deus,
de Rui Caeiro (Averno, 2003).

mardi 18 mars 2014

Novidade





Epígrafe de Acabamentos de Primeira,
de Rui Caeiro (Eclusa 01).

mercredi 5 mars 2014

Leituras Paralelas (21)


IN A STATION OF THE METRO


The apparition of these faces in the crowd;
Petals on a wet, black bough.


EZRA POUND


*


NUMA ESTAÇÃO DO METRO


Desventurados os que avistaram
uma rapariga no Metro
e apaixonaram-se de chofre
e seguiram-na enlouquecidos
e perderam-na para sempre
no meio da multidão.
Porque serão condenados
a vagar sem rumo pelas estações
e a prantear as canções de amor
que os músicos de rua entoam nos túneis
E talvez o amor não seja mais do que isso
uma mulher ou um homem descendo de um carro
numa qualquer estação do Metro
e que resplandece uns segundos
e se perde na noite sem nome.


ÓSCAR HAHN